2 de mar de 2011

10 motivos para os casais dormirem na mesma cama, ou não.

Os casais que se acostumam a dormir juntinhos nunca mais querem outra coisa, porém, há sempre um "porém" nestas questões, como tudo na vida há uma idade certa para aprender aquilo que, se é tão óbvio para algumas pessoas, para outras é a coisa mais estapafúrdia do mundo.

Você tem um prazo de validade até os vinte e poucos anos para treinar o seu corpo e espírito na tarefa de dormir junto, pois depois disto os hábitos de solteirão(ona) começam a se impor tanto, que você é capaz de atos de guerra por causa do uso da toalha, ou da posição da pasta de dentes.

Antes um esclarecimento: penso que dormir juntinho é o desenvolvimento da capacidade de compartilhar o mesmo quarto, cama e, principalmente, o mesmo banheiro. E isto não é fácil para quem não inicia jovem no ofício, pois com o avançar dos anos as manias se multiplicam e a possibilidade de compatibilizar horários, posições dos objetos, tolerância a ruídos, etc, se torna cada vez mais remota.

1) Pró: Conchinha.
Não, nunquinha um casal que dorme em quartos separados experimentará a dita de se acordar abraçadinhos. Definitivamente, esta sensação não tem preço!*

2) Contra: Pum.
A flatulência é um mal necessário que deve ser tolerado, afinal, ninguém disse que dormir na mesma cama é só um mar de rosas.
Detalhe da pintura "O Jardim das Delícias Terrenas" de Hieronymus Bosch.

3) Pró: Esfregar os pés de manhã.
É inenarrável a sensação de ter o ser amado ao alcance da mão, digo, dos pés, quando a manhã se anuncia e começa aquele enroscamento delicioso.

4) Contra: Body Modification.
Quando alguém no casal se dedica a este tipo de arte, certamente a convivência na mesma cama pode se tornar algo um tanto penetrante - então, fica legitimamente amparada a decisão de camas separadas.

5) Pró: Aquecimento mútuo.
Qual solteiro não tem o sonho de arranjar no inverno um cobertor de orelhas? Entre outras funções, para isto os amantes dormem colados.

6) Contra: Diferenças nas percepções térmicas.
Friorentos costumam entrar em conflito com calorentos. Neste caso, enquanto um quarto está com o ar condicionado regulado para os invernos polares, o outro pode se deleitar com os nossos típicos mormaços tropicais.

7) Contra: Ronco.
Aturar o ronco do parceiro é algo que ninguém pode ser obrigado a aturar. Neste caso, uma pequena solução é inclinar a cama um pouco para a frente, colocando-se calços nos pés da cabeceira.

8) Contra: Ritmos circadianos incompatíveis.
Parceiro demasiadamente notívago não costuma compartilhar na boa o mesmo dormitório com um matutino.

9) Contra: Mau hálito.
Apesar de o mau-hálito ser um grande empecilho para o convívio íntimo, ele é tratável. A primeira abordagem deve ser ao nível odontológico e a segunda através do aumento do consumo de água, este pequeno truque faz milagres!

10) Fomento da cumplicidade.
Eu e a minha mulher fomos treinados a dividir tudo desde os vinte e poucos anos, isto quer dizer que a nossa força é a nossa verdade, algo tão simples de fazer como respirar. E este eterno entrelaçamento de corpos aprofunda ainda mais a intimidade, tanto que cada um conhece a respiração do outro como a criança reconhece a da mãe.

Considerações sobre sobreviventes de divórcios turbulentos.
Reconheço que ex-integrantes de relacionamentos maledetos perdem o poder de se entregar completamente numa nova relação, afinal, não existe superbonder capaz de soldar os cacos de um coração partido. Ele pode até assumir uma nova relação, mas sempre estará com um pé atrás, mesmo que tenha juntado os pedaços e posto a bomba cardíaca a funcionar novamente. Doravante, os quartos separados serão o retrato de antigas feridas que nunca mais cicatrizarão.

Conclusão.
Não sei exatamente o modus operandi dos casais que optam pela vida a dois, literalmente a dois, sem dividir cama, quarto e banheiro. Então só posso imaginar que depois da eventualidade de uma relação sexual, um deles se retira para os seus aposentos, onde dorme o sono dos justos. Simples assim? Se esta realmente é a rotina, então eles perdem os melhores eflúvios que o casamento concede, os momentos pós, quando toda a energia produzida segue circulando pelos corpos como se fossem cordas de piano recém tangidas, cujo uníssono residual continua pulsando e decaindo até o infinito.

*Acredito piamente que há homens, que mesmo dormindo em camas separadas da titular, na presença das amantes não resistem à tentação da conchinha.

PS: para quem está sozinho, baba baby!

3 comentários:

  1. E aqueles que são egoistas e adoram tem a cama só para eles? :X
    hihih

    ResponderExcluir
  2. na vida tudo se divide desdo colégio até otrabalho em equipe que depende da cooperação dos membros...

    ResponderExcluir
  3. Acho legal dormir juntinhos,mas o ruim disse é quando você incomodado toda noite com o parceiro,fazendo algo que lhe incomoda!
    É ótimo dormir agarradinho,mas temos que mudar de posição se não o corpo não aguenta!

    ResponderExcluir