10 de set de 2010

Mistério das balzaquianas hétero lindas... e eternamente descasadas.

Avançando no assunto abordado em artigo anterior sobre as famosas separadas*, hoje vamos aprofundar a questão das mulheres comuns que compartilham a mesma sina de ficarem sem parceiros fixos, talvez pelo resto das suas vidas.



Nunca é tarde para enfatizar que a nossa sociedade, apesar de toda a modernidade alardeada, abriga no seu cerne preconceitos inquebrantáveis. Ora, um deles é determinante da mulher separada se converter numa espécie de pária solteirona, veladamente é lógico, e isto somado às idiossincrasias delas próprias, resulta no fenômeno que observamos amiúde no seio da nossa sociedade hipócrita e pseudamente liberal.

Então, vamos nos debruçar sobre a solterice crônica de um determinado perfil de mulheres: meia idade ao redor dos 30 anos, lindas, independentes, com filhos, carreira profissional em ascensão, modernas, liberais e desinibidas. Mas, há um problema, muitas delas não casam mais. Será por vontade própria, ou pela força das contingências citadas?

Segundo as minhas observações sobre o comportamento de alguns espécimes, a causa central do problema reside na malha de pré-requisitos que elas tecem em torno da escolha do novo marido. A saber, normalmente é exigido que o pretendente seja bonito, descompromissado, idade compatível, instrução superior e, principalmente, situação financeira comprovadamente sólida.

Ora, onde vamos encontrar este tipo de homem ideal buscado pelas descasadas? Primeiramente, ele praticamente não existe, pois o homem perfeito (se existe) sempre é gay, em segundo, os poucos exemplares hétero desta espécie são permanentemente assediados por nuvens de garotas lindas, jovens, desinibidas, desimpedidas e... por vezes ricas.

A única salvação da lavoura disponível para as nossas balzaquianas separadas, seria o afrouxamento dos crivos e a aceitação da hipótese de pegar um teúdo e manteúdo, a mesma solução esposada por figuras de peso do cenário feminino nacional, tais como Ana Maria Braga, Suzana Vieira, Marília Gabriela, Elba Ramalho, etc.

Porém, elas do alto do seu orgulho besta, apesar de satisfazerem suas necessidades afetivas com parceiros ocasionais, seguem esperando sozinhas pelo príncipe encantado que teima em nunca aparecer. Já é hora de revelar que certamente ele não existe, até porque as nossas primadonas temem beijar sapos e lhes dar a chance de virar príncipes.


*Causas da tragédia das mulheres ricas, lindas, famosas e mal-amadas.

7 comentários:

  1. "...elas do alto do seu orgulho besta..."
    Isso somado ao desejo de casar, ter maridinho e filhos, são os principais motivos das mulheres darem murro em ponta de faca, ao invés de colocarem suas inteligencias para funcionar. No quesito "amor", as mulheres são os seres mais sadomasoquistas da natureza!! Pra não dizer BURROS!! Sua última frase, parafraseando o famoso conto-de-fadas, é precisa: muita, mas muita mesmo, mulher é infeliz porque se recusa a "beijar um sapo", se recusa a dar uma chance para aquele cara que não se encaixa no padrão sócio-econômico-cultural que elas querem. E que poderia satisfazê-las em todos os sentidos, ou pelo menos naqueles de ordem emocional, revelando-se assim "serem principes".
    Mas mulher é um bicho filho-da-puta mesmo. Azar o delas e o nosso por serem assim. Estamos fadados a nos foder e não tem poder capaz de alterar isso.

    ResponderExcluir
  2. Que merda não é, quando você ama uma mina e ela só ama coisas como status e posição social. No fim de tudo, talvez ela acabe chutando o grande sapo da sua vida, preterido em função dos carinhas vazios que só amam a si mesmos.
    Já vi várias dessas idiotas fazerem este tipo de escolha, só que a vida não lhes dá uma segunda chance.

    ResponderExcluir
  3. Segundo Freud, nós somos o que sonhamos. Se sonhar pequeno, será insignificante. Se nada sonhar, nada será.

    Sonhar não é proibido (trata-se de uma das poucas coisas boas da vida que a lei permite e em que o Estado não interfere). Sonhar é como respirar, para fazer basta o ar.
    Há quem sonhe com riquezas, há quem sonhe com amores, há quem sonhe com a fama, com o sucesso.

    Só não sonha quem não tem alma.
    O sonho é sempre uma hipérbole, um exagero, um paradoxo.
    O máximo que pode acontecer é algum desses sonhos não se realizar.
    Assim, elas vão sonhando com a " Pessoa Certa " até que um dia tudo se esfuma.

    Passar do sonho para a realidade é duro, causa sofrimento e muitas vezes a história não tem um fim feliz.

    ResponderExcluir
  4. Então, antes de qualquer coisa, sou mulher e na fase dos 30... como costumo dizer, recém bati à porta de Balzac, sem filhos, etc... Mas indo ao que interessa: vocês homens já pararam pra pensar que a mulher pode ser solteira por uma questão de escolha? Algumas mulheres, como eu, não se importam com o que os outros pensam, afinal, conforme já disse Sade "Não foi minha forma de pensar que causou minha desgraça, mas sim a forma de pensar dos outros".

    E mais, se ficar com um homem de idade compatível com a sua já é algo complicado, quem dirá com um mais jovem! Não é questão de preconceito, mas muitos caras jovens querem, em verdade, um encosto - isso ninguém pode negar; se a mulher não for tola não permitirá isso, muito pelo contrário, optará por ficar sozinha, ou, ainda, buscar novos 'conceitos de relacionamentos'!

    Infelizmente a cultura empírica em nossa 'sociedade porca', acerca de relações, tem uma mentalidade completamente retrógrada e embasada no 'não-confiável' senso comum - o que sempre leva as pessoas ao erro, tipo: 'mas ah, toda mulher sonha em se casar...' - quem disse isso?; 'toda mulher busca um príncipe encantado...' - mas como assim?; 'a mulher só está solteira porque não encontrou o homem certo...' - que balela - não existe homem certo! A mulher está sozinha porque OPTOU POR ESTAR ASSIM - também tem esta questão; sinceramente, abomino cada vez mais as generalização, isso é muito limitado e mostra o quão limitadas as pessoas são!

    ResponderExcluir
  5. Balzaquina,
    o seu arrazoado demonstra realmente o quão embasada pode ser uma decisão, que todos devem respeitar. Certamente, um assunto polêmico não se esgotaria numa só interpretação.

    ResponderExcluir
  6. Vou deixar aqui o mesmo comentário que deixei nessa matéria, que aliás, também encontrei no Ocioso: http://omundomasc.blogspot.com/2010/09/8-razoes-para-permanecer-solteiro.html

    Vida de solteiro é vazia, mas a de casado enche.... [2]

    Eu tenho 26 anos e namoro um cara q tem quase 40. Há uns 3 ou 4 anos atrás ele (vejam bem: ELE, não eu) estava desesperado p/ juntar uma grana, comprar um terreno, construir, pq daqui a pouco ele tava velho demais p/ ter filho e precisava dar um rumo na vida dele. Eu falei: "relaxa, meu amor! Eu não faço questão nenhuma de ter filhos, não precisa vender seu lindo maverick customizado, que todo mundo adora, p/ fazer algo que eu mesma não quero!"

    Resultado: ele pegou a grana que tava juntando p/ construir, comprou uma motona super chique, com a qual damos altos rolês por aí, tá fazendo uma facul, comprou uma câmera fotográfica profissional, e nós dois estamos felizes da vida assim!
    Eu pretendo cursar também uma nova faculdade, e continuar curtindo nosso namoro, sem compromissos e esquentação de cabeça! Afinal, não tem nada mais triste que gastar o meu salário (notem bem de novo: MEU, não o dele) reformando cozinha, quando eu poderia estar comprando aqueles vestidos maravilhosos, ou curtindo uma viagem incrível com o meu amor!

    fica a dica! ;)

    Tonta da mulher que fica preocupada com o que vão pensar dela! Vai continuar sendo eternamente vítima, coitadinha! E vítimas não têm o controle de sua própria vida: os outros é que a controlam!

    ResponderExcluir
  7. balzaquiana descasada feliz28/11/12 01:06

    ah,cara,sei lá...vida de casado também é um porre,viu!?
    Fui casada há 14 anos,e casei bem nova,tive filhos,tuudo por amor,idealista que eu era...e não,não foi porque meu ex era ruim,mas era sem sal,sabe,fazia as coisas certas,mas minha vida não tinha nenhuma emoção nem lazer...com o tempo,fui percebendo que a vida de casada era só trabalho,filhos e cobranças,muuitas cobranças sociais,familiares,e da gente mesma:tem que ser mãe perfeita,esposa,dona-de-casa,filha,nora e profissional perfeita(sempre trabalhei fora e aguentei minha bronca!),e no final do dia,uma amante maravilhosa que é para compensar a beleza física que tá indo pro ralo aos poucos;aliás,com o tempo e obrigações a gente tem pouco tempo para cuidar de si própria,aí já sabe,né;cobranças e mais do mesmo!
    Bom,o relacionamento,da minha parte foi esfriando,esfriando,e um belo dia,propus a separação,pois já havíamos tido discussões e não houveram mudanças.No começo,achava que eu nunca conseguiria viver sem ele,pois o amava,e socialmente,ninguem achava defeito nele,até minha mãe dizia que eu não acharia marido bom assim,mas não deu,ele disse que se não desse certo comigo,não daria com ninguém, mais,mas me separei mesmo assim,e,passados os primeiros aos,agora sinto que tomei a decisão mais acertada!
    Continuo trabalhando muito,a vida não é um mar de rosas,e não,não chamo atenção de ninguém,já não sou novinha,tenho trinta e alguns,rsrs...mas tenho uma liberdade mais plena agora,posso sair a hora que dá sem ter que estar atrelada a um marido...prá falar verdade,tah meio recente,mas me sinto uma vitoriosa por não estar mais em uma relação faz- de -conta- que- eu -existo!è isso!

    ResponderExcluir