11 de jun de 2008

O que é crise?


Desde que eu me conheço por gente, a palavra crise ocupa as cabeças das pessoas, estrategistas, educadores, cientistas, governantes, etc. Uma crise se sucede à outra interminavelmente, quem lê a Revista Veja no domingo, dificilmente pode acreditar que o Brasil esteja em pé na segunda-feira, mas quando o cartão-ponto é batido pontualmente às 8 horas, lá está o Brasil firme e forte, impávido colosso que avança apesar da eterna crise a ameaçar as suas fundações.

E não só o gigante adormecido está em crise, cada um na sua vida pessoal enfrenta a crise dos 15, dos 20, dos 30, dos 37, quando a pessoa se dá conta que vai chegar inexoravelmente aos enta, dos 40, dos 47, quando surge a consciência de que os 50 são inevitáveis, dos 50, quando a pessoa começa a achar que o pessoal de 60 não é tão velho assim, dos 60, dos 70, dos 80, quando a pessoa acha que todo mundo é mais jovem do que ela, dos 90 e dos 100, quando o simples ato se equilibrar sobre duas pernas é uma tremenda crise.

O resumo da ópera é que todos nós sempre estamos em crise, porque se a palavra pudesse ser resumida numa só, ela seria “presente”. Ora, o físico Ilya Prigogine define os seres vivos como estruturas dissipativas, significando que cada corpo vivo longe de ser uma coisa é um processo, em que cada célula é constantemente descartada, assim como cada molécula e átomo. Ao cabo de alguns dias, apesar de não guardarmos nada da matéria do que fomos, “algo” sobrevive à mudança contínua, algo que se pode definir como o eu ou figura que remanesce da permanente extinção da matéria.

Ao se compreender o homem como um vórtice de energia dissipativo, pode-se entender a razão da crise que perenemente formata a vida. Ao contrário do axioma de senso comum postulante da morte como única certeza, reclamo outra mais universalizante: a certeza da crise em vida enquanto ela existir. Ademais, pode ser que a morte não seja mais do que outra crise, que sobrevém quando o vórtice dissipativo deixa de girar, implodindo sobre si mesmo – a crise da morte pode ser mais um ritual de passagem, ou seja mais uma crise enfrentada pelo ser, que sofre na vida e na morte as duas faces da mesma moeda.

Os seres humanos podem ser divididos em duas categorias: os que resolveram a sua crise fundamental e os que estão às voltas com ela. Na primeira categoria estão uns poucos que se entregam aos rigores das práticas da meditação, autoconhecimento e despertar da consciência e os restantes são os desistentes, viciados em drogas, álcool, etc.

Na categoria dos que estão no auge da crise se encontram eu e a torcida do flamengo, ou seja, todos aqueles que têm ambições de melhorias, lutam para dar certo na vida, querem ter sucesso, ansiam trabalhar no que gostam, querem ter filhos e se preocupam com o futuro, etc. Viver na roda viva da vida careta é viver a crise da insegurança, do sistema de saúde ineficaz, dos impostos escorchantes. É viver a crise da adolescência, da universidade, do primeiro emprego, da meia idade, da solidão, da velhice, da doença.

A verdadeira razão de eu estar escrevendo este texto é porque estou em plena crise de querer que ela seja lido e bem recebido pelos leitores. Vivo a crise da expectativa de que ele seja um sucesso e corro dois riscos, que igualmente desembocam em crise: o de penar a crise do fracasso, ou o de usufruir a efêmera crise dos louros da vitória.

Aforismo final: A vida pode ter solução (de continuidade), mas a crise não.

Crise, Ilya Prigogine, Revista Veja, estruturas dissipativas, vórtice dissipativo, adolescência

7 comentários:

  1. É espantoso como os seres humanos olham e veem as "crises" (crina) de forma "ainda" tão mediocre, ingênua e antiguada! Cacilda.....passaram-se 2.000 e cacetadas e tem pessoas "vendo" as coisas com olhos de "crocodilo"......ehh....né mole não!

    ResponderExcluir
  2. "os seres humanos podem ser divididos em duas categorias"...! Fala sério, que visão miópe, poxa! Quando foi que ocorreu isso? Só nas mentes que veem divisões! Como pode em pleno XXI alguém dizer tamanha asneira? Ô meu, abra os olhos e tente perceber, sentir a Vida.....eu disse a Vida, fluir momento a momento....e verás que divisões, barreiras, obstáculos só existem nas mentes humanas. Onde mais poderiam existir? "Saia da mente, abandone-a, esteja além dela, e verás que que nada disso que livros, professores, filósofos de "araque" dizem tem sentido. "Tente ouvir o silêncio, talvez possa perceber a Verdade, que jamais disse algo....."a ninguém"!

    ResponderExcluir
  3. Numa perspetiva filosófica é um trabalho notável mas o curioso é que sendo eu um economista como tantos, ao ler o artigo de 2 de Setembro de 2009, publicado no The New York Times, da autoria de Paul Krugman " Prémio Nobel da Economia " dei comigo a pensar que ali estava um tratado de filosofia. Curioso.

    ResponderExcluir
  4. Mario Ventura, a filosofia escorregou por entre os dedos dos filósofos quando a empiria foi abocanhada pela ciência.

    ResponderExcluir
  5. Nossa! que texto "bobo"

    ResponderExcluir
  6. nossa tudo isso

    ResponderExcluir
  7. Hummmm......pessoal. Acho que pegamos pesado com o Isaías, autor do texto.

    Precisamos ser mais imparciais e impessoais ao fazemos nossos comentários.

    Afinal, no fundo mesmo, se buscarmos "Enxergar" nossa insignificância diante da "VIDA", não apenas do viver, veremos que o que sabemos de Real importãncia, se equivale àquilo que sobra após termos enfiado a mão fechada dentro de um balde cheio de água, e logo após retirada: NADA!

    Eu peço desculpas se você se sentiu ofendido ou chateado.

    Isso aí! - Valeu!

    ResponderExcluir